domingo, 18 de novembro de 2018

Segunda etapa do 1º Circuito Surubim de Vaquejada no Manduri Park Show! neste sábado entre as atrações PEDRINHO SANFONEIRO

do: Tô na Midia Surubim

Tudo pronto no Manduri Park Show!

Venha para segunda etapa do 1º Circuito Surubim de Vaquejada, que acontece em nossas instalações. Iniciamos hoje à tardinha com R$15.000 em prêmios, sendo R$3.000 para iniciante,R$6.000 para aspirante e R$6.000 para categoria aberta. Venha correr boi!🐄 🐎


Circuito Surubim de Vaquejada. O evento teve início no mês de outubro, a primeira etapa aconteceu no Parque Haras Leal, nos dias 26 e 27. A segunda etapa será realizada no Manduri Park Show, durante os dias 17 e 18 de dezembro. Já a terceira etapa acontece a grande final no Parque J. Galdino, nos dias 21 e 22 de dezembro.


Entre as atrações o cantor PEDRINHO SANFONEIRO tocando muito forró pra os vaqueiros presente

Bolsonaro fala em 'regeneração moral' e governadores eleitos armam superpedalada

Elio Gaspari – Folha de S.Paulo
No mesmo dia em que anunciou um "momento de regeneração", Jair Bolsonaro foi a uma esquisita reunião de governadores eleitos copatrocinada pelo paulista João Doria. Nada havia sido combinado com sua equipe. O que muitos governadores querem é suspender as exigências e os efeitos da Lei de Responsabilidade Fiscal. Uma legítima superpedalada, capaz de superar os çábios da "contabilidade criativa" que custou a Presidência a Dilma Rousseff.
Como o presidente eleito ainda não desceu do palanque, fez brincadeira com a sua presença no conclave: "O que eles querem, eu também quero, dinheiro". Antes fosse, o que eles querem é atropelar a lei que obriga os estados a limitar em 60% o comprometimento das receitas com o pagamento de despesas de pessoal.
O Rio está com um comprometimento de 70%. Mato Grosso do Sul 76% e o Rio Grande do Sul, 69%. Isso para não falar no campeão Minas Gerais, com 79%. Ao todo, são 14 os estados que ofenderam a LRF, mas nove governos comportaram-se como deviam.
Os governadores querem mais dez anos de prazo para cumprir uma lei de 2000 e prometem um conjunto de medidas para buscar o equilíbrio financeiro. Velha conversa, como a do Supremo Tribunal Federal, que quer o aumento para já, prometendo o fim dos penduricalhos dos juízes para depois. Ademais, dentro de dez anos os governadores serão outros.
Bolsonaro deveria ter desarmado a cilada da reunião, expondo a irracionalidade do pleito. Doria, que governará o estado que exibe melhor desempenho (54% de comprometimento, graças a Geraldo Alckmin), poderia ter evitado a ribalta.


Para quem temia que depois da eleição viesse mais do mesmo, ressurge a maldição do príncipe de Salinas no romance "O Leopardo": "Depois será diferente, porém pior".                                                                                                    Fonte: Blog do Magno Martins

Bolsonaro tem margem de manobra na economia

... segundo oposicionistas

Helena Chagas 
O governo Bolsonaro concluiu a montagem do núcleo da equipe econômica que será chefiada pelo economista Paulo Guedes e, diferentemente do que ocorre nas outras áreas, está recebendo crédito até mesmo de economistas de outras tendências. Ainda que não concordem com o que parece que será feito, dois importantes formuladores econômicos da oposição, gente com tinturas de centro-esquerda, acreditam que Jair Bolsonaro terá, sim, sua margem de manobra na economia nos primeiros meses de governo.
Um deles lembra que o novo presidente recebe o país com inflação controlada, a menor taxa de juros histórica e sem problemas de saldo comercial. É imenso o problema fiscal, mas a lua-de-mel do novo governo com a opinião pública, se bem aproveitada, poderá resultar na aprovação de ao menos uma parte da reforma da Previdência nos primeiros meses de governo. Isso garantiria sua sobrevida com sinais de recuperação econômica e algum crescimento, ainda que discreto.
Se bem aproveitada, frisam essas fontes, já que, em outras áreas, o governo de transição vem produzindo desencontros e até crises – como a retirada dos médicos cubanos que poderá deixar mais de 20 milhões de brasileiros sem assistência médica já nos primeiros dias do governo de Bolsonaro.


Normalmente, é a economia que costuma estragar tudo, com aumento de preços, desemprego, recessão. Desta vez, é possível que o novo governo viva uma situação diferente, e o ponto fraco passe a ser o despreparo na política e na gestão, marcada pela incontinência verbal e por escolhas polêmicas.                                                                                 Fonte: Blog do Magno

Ministra de Bolsonaro: ações ligadas a Joesley e Wesley

Parceira da JBS, ministra de Bolsonaro deu incentivos fiscais à empresa em MS

Tereza Cristina arrendou terras ao grupo dos irmãos Batista enquanto comandava secretaria estadual
Rubens Valente e Catia Seabra – Folha de S.Paulo
futura ministra da Agricultura do governo Jair Bolsonaro (PSL), Tereza Cristina (DEM-MS), concedeu incentivos fiscais ao grupo JBS na mesma época em que manteve uma “parceria pecuária” com a empresa.
A deputada arrendava uma propriedade em Terenos (MS) aos irmãos Joesley e Wesley Batista para a criação de bois e, ao mesmo tempo, ocupava o cargo de secretária estadual de Desenvolvimento Agrário e Produção de Mato Grosso do Sul.
Os documentos assinados por Tereza foram entregues pelos delatores da JBS em agosto de 2017 como complemento ao acordo de delação premiada fechada em maio entre os executivos da empresa com a PGR (Procuradoria-Geral da República) e homologada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).
Tereza foi secretária do agronegócio do então governador André Puccinelli (MDB-MS) de 2007 a 2014, que foi preso em julho pela Operação Lama Asfáltica da Polícia Federal sob acusação de corrupção.
A política de incentivos fiscais do governo estadual está no centro da delação premiada fechada pela JBS com a PGR no ano passado no capítulo que tratou da corrupção em Mato Grosso do Sul.
De acordo com as investigações, Wesley e Joesley atribuíram ao então diretor tributário do grupo JBS, Valdir Aparecido Boni, a tarefa de negociar a propina ao longo dos anos com três governadores: Puccinelli, Zeca do PT e Reinaldo Azambuja, do PSDB.
Em um período de 13 anos, até 2016, teriam sido pagos R$ 150 milhões em propina.
É Boni quem firma, pela JBS, os documentos que tiveram a assinatura de Tereza e foi ele quem entregou as cópias dos papéis no seu acordo de delação.
Ouvido pela PGR em maio de 2017, Boni não foi indagado sobre o papel de Tereza e de outros secretários estaduais nos acordos de crédito. O depoimento se resumiu a poucos minutos sobre Mato Grosso do Sul.
Segundo os delatores da JBS, o esquema funcionou da seguinte maneira durante o governo Puccinelli: a legislação permitia que o governo concedesse incentivos fiscais para empresas que queriam construir ou ampliar fábricas; a JBS conseguia do governo o acordo para obtenção do crédito e, em contrapartida, acertava com o operador de Puccinelli, Ivanildo Miranda, o pagamento de propina que oscilava de 20% a 30% do valor obtido com os créditos.
Os pagamentos ocorriam em espécie ou por meio de depósitos para diversas empresas agropecuárias.
Em abril de 2017, uma auditoria feita pela CGU (Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União) em planilhas apreendidas pela PF na casa de um alto servidor do governo de Mato Grosso do Sul durante a Operação Lama Asfáltica apontou uma correlação entre os benefícios obtidos pela JBS na área tributária e os valores anotados como pagamentos, à proporção de 20%.
Em depoimento à PF, Miranda reconheceu que entregou diversos valores nas mãos do governador.
Em julho de 2012, por exemplo, ele buscou em Barueri (SP) “o total de R$ 10 milhões, em espécie”, que foi entregue em caixas de isopor “diretamente a André Puccinelli, em sua casa”.
O ex-governador está preso preventivamente desde julho por decisão da Justiça Federal.
Em uma primeira etapa, Boni entregou à PGR as cópias de cinco Tares (Termos de Acordo de Benefícios Fiscais), que, segundo ele, estavam vinculados aos pagamentos de propina.
Em agosto, Boni complementou a delação com três aditivos assinados por Tereza no apagar das luzes do governo Puccinelli, em dezembro de 2013. Boni assinou os documentos pela empresa Seara, que havia sido adquirida pela JBS naquele ano.
Sete meses depois, Tereza recebeu doação eleitoral da JBS no valor de R$ 103 mil para sua primeira campanha a deputada federal.
O negócio particular entre Tereza e os Batista foi fechado nos anos de 2011 e 2012. A relação foi tumultuada, e hoje a JBS cobra de Tereza na Justiça um total de R$ 14 milhões, em valores atualizados.
As tratativas começaram em 2009, quando Tereza aparece como avalista da sua mãe, Maria Manoelita Alves Lima Correa da Costa. Dois anos depois da morte de Manoelita, em 2010, a deputada assinou contrato com a JBS na condição de inventariante.  
O negócio foi noticiado pela primeira vez em 2017 pelo site O Jacaré, de Campo Grande.
Em entrevista no dia 8 deste mês, em Brasília, indagada sobre a parceria com a JBS, Tereza procurou minimizar sua participação, dizendo ter “uma propriedade, um condomínio” com seus irmãos, que era apenas “inventariante” e que a família “arrenda um confinamento […] há muitos anos”.
Os documentos que integram o processo que hoje corre em segredo de Justiça em Campo Grande indicam, porém, que ela não se limitou a uma atuação burocrática. Além de ter sido inventariante, Tereza fechou a parceria pessoalmente com Joesley e assinou documentos como a responsável principal pela negociação.
Conforme petição anexada aos autos pelos próprios advogados da deputada, “esse negócio foi ajustado no segundo semestre de 2010 entre a embargante [Tereza] e o sr. Joesley Mendonça Batista, diretor-presidente da embargada (conforme consta da procuração e dos atos constitutivos)”.
O processo inclui pelo menos dois documentos assinados pela deputada com firma reconhecida em cartório.
O primeiro é o contrato de arrendamento fechado entre Tereza, na condição de inventariante do espólio de sua mãe, e a JBS Confinamento, no dia 16 de novembro de 2012.
  1. Jair Bolsonaro - presidente eleito Por esse acordo, a JBS pagaria à família de Tereza R$ 612 mil por ano de atividade mais um custo operacional no valor de R$ 0,30 por cabeça de gado a cada 85 dias. O projeto pretendia criar 12 mil cabeças.
Em 2 de outubro de 2013, Tereza voltou a assinar documentos, agora um aditivo ao contrato original, no qual são feitas correções de valores.
Em outra petição no processo, a defesa da deputada disse que o negócio foi “ótima conveniência” para a JBS, “que assumia o frigorífico antes operado pelo Bertin em Terenos (MS) e precisava de um confinamento de bois para suprir as lacunas em sua escala de abates”.
Em petição, a J&F Investimentos, do grupo JBS, explicou que o resultado da parceria “seria usado como fomento para a criação de gado ou das outras atividades empresariais da família” de Tereza.
Em novembro de 2013, a J&F entrou na Justiça para cobrar de Tereza o pagamento de três dívidas contraídas por sua mãe em 2009. Corrigidos, R$ 3,6 milhões originais somam R$ 14 milhões.
Segundo o advogado de Tereza, a mãe da deputada contraiu dívidas com o banco JBS para realização de obras para confinamento do gado. A dívida, segundo o advogado, seria quitada conforme a JBS fosse pagando o aluguel da fazenda.
Ainda segundo o advogado, a JBS atrasou, no entanto, a programação para confinamento. Sem receber, a mãe de Tereza não pagou a dívida.
Em junho deste ano, a J&F e Tereza decidiram suspender por 90 dias a disputa judicial em busca de uma saída negociada para o impasse. Sem acordo, a suspensão está sendo prorrogada desde agosto.
OUTRO LADO
O advogado da deputada, Dorvil Afonso Vilela Neto, afirmou à Folha que os aditivos aos termos de concessão de créditos tributários eram “fatos determinantes para o aumento de investimento nas unidades da Seara no estado, ainda carente da industrialização e empregos”.
Segundo o advogado, o ato “fundamentou-se na legislação do estado, e os processos administrativos para tanto foram analisados pelos setores técnicos” da pasta e “também da Secretaria de Fazenda, sendo que esta última tem competência exclusiva para tratar de ICMS, sem nenhuma intervenção da secretária à época”.
Ele disse ainda que, na época dos acordos que deram origem aos aditivos, a Seara ainda não pertencia à JBS. 
Procurada, a JBS preferiu não se manifestar.
Sobre o acordo assinado por Tereza com a JBS para a parceria na criação de gado, o advogado disse que foi a renovação do iniciado pela mãe. O advogado afirmou ainda que “não há impedimento legal ou moral” para o ato.
“Não há vinculação nenhuma com a atividade de secretária estadual”, disse o advogado de Tereza Cristina.
Na contestação da dívida cobrada pela JBS, a defesa afirmou que “não decorre de um voluntário inadimplemento da embargante, mas sim do abuso de confiança e da falta de boa-fé do grupo JBS no trato feito, que, agora, exige aquilo que lhe convém, como se fosse um credor injustiçado”.
O advogado disse que, “com o falecimento da mãe e o cargo de inventariante, ela precisou negociar o pagamento dos títulos de crédito pendentes do espólio”. Segundo ele, esse é um “exercício regular de sua obrigação como representante do espólio”.
Os dois ex-governadores acusados pela JBS, Zeca e Puccinelli, já negaram, em diferentes oportunidades, quaisquer irregularidades. 
No mês passado, Azambuja foi reeleito. Ele também nega as acusações dos delatores.
Fonte: Blog do Magno

Diogo Moraes representa Pernambuco em Conferência Internacional na China



O deputado estadual Diogo Moraes, atual primeiro-secretário da Alepe e também secretário da Unale (União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais), apresenta palestra sobre a educação pernambucana em terras orientais durante a China International Friendship Cities Conference 2018. Na sexta edição da conferência, realizada na província de Hubei, cuja capital é Wuhan, entre 14 e 16 deste mês, o tema central abordado foi “Sharing Development Opportunities and Deepening Win-Win Cooperation” (em português, “Compartilhando oportunidades de desenvolvimento e aprofundando a cooperação Win-Win”).
A conferência chinesa conta com a presença de 800 participantes de 60 países do mundo, sendo apenas 08 brasileiros, deputados estaduais integrantes da Unale, proporcionando um grande compartilhamento de opiniões, além de aprofundar e cultivar relações internacionais.  Para Diogo Moraes, a oportunidade de participar do encontro foi única e de grande enriquecimento profissional e humano. “Quando surgiu o convite, através da Unale, para representar Pernambuco do outro lado do mundo, vi que seria uma grande chance de falar sobre algo que temos muito orgulho: a educação pernambucana, que supera a média nacional por anos seguidos. *No Brasil, já fomos reconhecidos por termos a melhor educação pública do país, com uma rede de escolas integrais e técnicas que cresceu nos últimos 13 anos, superando estados como São Paulo. Agora, tivemos a oportunidade de mostrar ao mundo como ser referência nesta temática”,* ressalta o parlamentar. Segundo Diogo, durante os dois dias de evento ocorreram sessões com diversos temas e exibições relacionadas à temática de desenvolvimento.
Na ocasião, Diogo Moraes teve a oportunidade de cumprimentar e conversar com o Ex-primeiro-ministro chinês, Yukio Hatoyama. A comitiva brasileira conta com a participação de oito deputados e deputadas, entre eles, o presidente da Unale, o deputado estadual pelo Rio Grande do Sul Ciro Simoni, o deputado estadual pelo Ceará, Joaquim Noronha (Vice-presidente) e a a deputada estadual pela Bahia, Ivana Bastos (secretária-geral).
                                                                                                                               Fonte: Blog do Edmar Lyra

Prêmios Literário e Cristina Tavares reafirmam compromisso dos jornalistas com a democracia e liberdade de expressão


Sinjope

Fotos: Ricardo Fernandes/ Spia Photo
A noite de entrega dos 3º Prêmio de Jornalismo Literário e 24° Prêmio Cristina Tavares de Jornalismo foi marcada por forte posicionamento político em defesa do estado democrático de direito e das liberdades de imprensa e de expressão. A premiação foi realizada no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB-PE. A solenidade aconteceu dois dias após o resultado do segundo turno das eleições presidenciais que acabaram por escolher o deputado do PSL e capitão do Exército Jair Bolsonaro para ocupar a presidência do país a partir de janeiro do ano que vem.
 
Discursos contundentes e emocionados sobre a necessidade de se construir uma vigilância constante para a manutenção do estado democrático de direito marcaram a entrega dos prêmios, que lotaram o auditório da OAB-PE.
Convidado a abrir a premiação, o presidente da Companhia Editora de Pernambuco (CEPE), jornalista Ricardo Leitão, ressaltou que é preciso estar alerta para os caminhos a serem trilhados no próximo governo, lembrando ter vivido tempos difíceis durante a ditadura militar de 1964 que cassou o direito de livre manifestação da imprensa.
O representante regional da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Osnaldo Morais, leu na íntegra a nota distribuída pela instituição para os sindicatos de jornalistas do país. Em tom duro, a nota “Futuro incerto para a democracia” expressou a preocupação com o futuro do Brasil após as eleições presidenciais e repudiou a violência contra jornalistas durante o processo eleitoral do segundo turno. Sem qualquer oposição do candidato eleito. “Diante das incertezas do futuro, a FENAJ e seus Sindicatos filiados reafirmam seu compromisso com a democracia, com o Estado Democrático de Direito, com as liberdades individuais e coletivas e com os direitos humanos, trabalhistas e sociais” diz a nota.
O anfitrião, o presidente da OAB-PE, Ronnie Duarte, reafirmou a disposição da instituição na defesa dos valores democráticos, convocando jornalistas e advogados a estarem atentos e unidos quanto ao cumprimento dos princípios constitucionais.
 
A premiação também homenageou à jornalista Graça Araújo, que faleceu no último dia oito de setembro. A irmã da jornalista, Maria Soares da Costa, recebeu dos diretores do Sinjope, Cláudia Eloi e Chico Carlos, uma placa “in memoriam” cujo texto ressaltava a excelência do jornalismo exercido por Graça Araújo e o seu compromisso em fazer da profissão uma trincheira na defesa da população mais pobre e sem direito a voz.
 
Seguiu-se a premiação do 24° Prêmio Cristina Tavares de Jornalismo, com trabalhos inscritos em 13 áreas, sendo cinco delas para estudantes e oito para profissionais. Na categoria estudante concorreram 47 trabalhos. Cinco foram agraciados com certificados e prêmio de R$ 800 reais. A disputa se deu em Internet, Radiojornalismo, Videojornalismo, Fotojornalismo e Texto. (veja vencedores abaixo). O primeiro prêmio, o de Internet, foi entregue pelo sobrinho da deputada Cristina Tavares, Adriano Tavares.
Já os profissionais disputaram nas áreas Internet, Radiojornalismo, Videojornalismo, Criação Gráfica, Ilustração, Fotojornalismo, Reportagem-texto e Reporgagem – Séries e Cadernos Especiais. Cento e setenta e três trabalhos foram inscritos, número superior ao registrado ao de 2017, com 147 trabalhos. Vinte e quatro foram agraciados com o troféu assinado pelo artista plástico Cavani Rosas e R$ 3 mil. (veja os vencedores abaixo)
 
O 3º Prêmio de Jornalismo Literário contou com patrocínio exclusivo da CEPE, também patrocinadora do 24° Prêmio Cristina Tavares de Jornalismo. O Cristina Tavares teve o apoio cultural das prefeituras de Jaboatão dos Guararapes, Recife e Garanhuns, da Câmara de Vereadores do Recife e da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco.

Confira os vencedores:
Bacharéis/Estudantes de Jornalismo – Fotojornalismo
Obras Aprovadas no Parque Capibaribe
Shilton Alan Santos Araújo
Bacharéis/Estudantes de Jornalismo – Internet
A Cor da Minha Tela
Ana Roberta Amorim da Silva
Bacharéis/Estudantes de Jornalismo – Radiojornalismo
Foi de Amor
Jéssica Barbosa Maia da Silva
Bacharéis/Estudantes de Jornalismo – Texto
Mulheres que Ocupam
Lorena de Barros Pereira
Bacharéis/Estudantes de Jornalismo – Videojornalismo
Mulheres Indígenas
Luisa Farias Silva
Criação Gráfica
Uma por Uma
Karla Tenório Correia Acioly
Fotojornalismo
Crianças Vivem Em Situação
Rafael Cavalcanti Furtado
Ilustração/Charge
Hermilo
Miguel Abreu Falcão
Internet
A Culpa não é delas
Ciara Núbia de Carvalho Alves
Karla Tenorio Correia Acioly
Alexandre Antonio Ribeiro Gondim
Jornalismo Literário
Bacharéis/Estudantes de Jornalismo – Texto
Poetas Analfabetos do Sertão do Pajeú de Pernambuco
Jefferson William Moraes De Sousa
Jornalismo Literário
Jornalistas Profissionais – Texto
Em Fase de Mudanças
Mariana Cunha Mesquita do Nascimento
Radiojornalismo
A Culpa Não é Delas
Anne Michelle dos Santos Barretto
Elaine Cristina de Santana
Mônica Cristina de Carvalho
Texto – Reportagem e Reportagem com Desdobramento
Exército Juvenil
Marcionila Teixeira de Siqueira
Wagner Arruda de Oliveira
Texto – Séries e Cadernos Especiais e Séries de Reportagens
Uma por Uma
Ciara Núbia de Carvalho Alves
Julliana Correa de Melo E Sá
Adriana Maria Barros da Guarda
Adriana Pimentel Victor
Bianca Trajano Bion
Cinthia Rodrigues Ferreira da Silva
Elaine Cristina de Santana
Isis Gomes de Souza Lima
Luiza Freitas da Fonseca e Silva
Mariana Dantas Costa Videira
Marília Alves Banholzer
Mayra Cavalcanti de Melo
Mayra Milenna Gomes
Mona Lisa Dourado Neves
Márcia Roberta Soares da Silva
Vanessa Louise Cortez de Lucena
Videojornalismo
Pernambuco pela Educação
Cinthia Rodrigues Ferreira Da Silva
Adriana Pimentel Victor
Diego Vieira Nigro de Almeida
Gustavo Henrique Alves Matos                                                                                                                             Fonte: Blog do Luis Correa

Assessor de Imprensa tem direito à jornada de 5 horas diárias






A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) reforça, por meio da campanha Assessor de imprensa é jornalista, que os profissionais desse segmento têm direito à jornada especial da categoria. O artigo 303 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) estabelece que a jornada de trabalho do jornalista é de cinco horas diárias. O artigo 304 da CLT prevê, mediante acordo por escrito, a possibilidade de elevação para sete horas, desde que haja a remuneração dessas horas excedentes de trabalho e seja concedido intervalo intrajornada.
Mas essas regras não são cumpridas em muitos locais que empregam jornalistas na função de assessores de imprensa/comunicação. Um dos problemas é a ausência de menção expressa à assessoria como função da categoria no Decreto 83.284/79, que regulamenta a profissão.
No entanto, a norma prevê em seu artigo 2º, §2º, que as garantias também valem para “entidade pública ou privada não jornalística sob cuja responsabilidade se editar publicação destinada à circulação externa está obrigada ao cumprimento deste decreto, relativamente, aos jornalistas que contratar”. Portanto, qualquer órgão que possui um site (já há julgados que reconhecem isso também para publicações internas) dever seguir a regulamentação dos jornalistas.
A jornada de trabalho é garantida também pelo Decreto-Lei nº 972, de 17 de outubro de 1969, que trata do exercício da profissão de jornalista e traz no seu artigo nove a descrição explicita da quantidade de horas trabalhadas diariamente.
Já a Portaria nº 97, de 17 de fevereiro de 2012, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), cita textualmente que a jornada de trabalho dos jornalistas do Poder Executivo, das administrações diretas ou indiretas, é de 25 horas semanais.
Cobrança judicial
Para cobrar judicialmente a garantia da jornada de 5 horas diárias, é preciso mostrar as atividades exercidas. Segundo a assessoria jurídica do Sindjorce, o jornalista deve se resguardar para comprovar suas funções e também ficar atento se existe ou não a relação empregado-patrão.
Documentos para comprovar atividades
1) Cópias de e-mails em que o superior emite opinião e comando;
2) Folhas ou livro de registro de ponto;
3) Recibos de pagamento;
4) Textos assinados e outros documentos que comprovem as atividades jornalísticas desempenhadas.
Características da relação empregado-patrão
1) A prestação de serviços se dá com regularidade;
2) O empregado não pode se fazer substituir;
3) Há pagamento regular de remuneração;
4) Há subordinação e fiscalização quando ao horário e trabalho apresentado.
O que diz a CLT sobre jornada do Jornalista
Art. 303 – A duração normal do trabalho dos empregados compreendidos nesta Seção não deverá exceder de 5 (cinco) horas, tanto de dia como à noite.
Art. 304 – Poderá a duração normal do trabalho ser elevada a 7 (sete) horas, mediante acordo escrito, em que se estipule aumento de ordenado, correspondente ao excesso do tempo de trabalho, em que se fixe um intervalo destinado a repouso ou a refeição.
Parágrafo único – Para atender a motivos de força maior, poderá o empregado prestar serviços por mais tempo do que aquele permitido nesta Seção. Em tais casos, porém o excesso deve ser comunicado à Divisão de Fiscalização do Departamento Nacional do Trabalho ou às Delegacias Regionais do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, dentro de 5 (cinco) dias, com a indicação expressa dos seus motivos.
Art. 305 – As horas de serviço extraordinário, quer as prestadas em virtude de acordo, quer as que derivam das causas previstas no parágrafo único do artigo anterior, não poderão ser remuneradas com quantia inferior à que resulta do quociente da divisão da importância do salário mensal por 150 (cento e cinquenta) para os mensalistas, e do salário diário por 5 (cinco) para os diaristas, acrescido de, pelo menos, 25% (vinte e cinco por cento).
Art. 306 – Os dispositivos dos arts. 303, 304 e 305 não se aplicam àqueles que exercem as funções de redator-chefe, secretário, subsecretário, chefe e subchefe de revisão, chefe de oficina, de ilustração e chefe de portaria.
Parágrafo único – Não se aplicam, do mesmo modo, os artigos acima referidos aos que se ocuparem unicamente em serviços externos.
Art. 307 – A cada 6 (seis) dias de trabalho efetivo corresponderá 1 (um) dia de descanso obrigatório, que coincidirá com o domingo, salvo acordo escrito em contrário, no qual será expressamente estipulado o dia em que se deve verificar o descanso.
Art. 308 – Em seguida a cada período diário de trabalho haverá um intervalo mínimo de 10 (dez) horas, destinado ao repouso.
Art. 309 – Será computado como de trabalho efetivo o tempo em que o empregado estiver à disposição do empregador .                                                                                                                                                            Fonte: Blog do Luis Correa

Cultura, política e resistência são temas de Mostra de Artes do Sesc Ler Surubim

Da Assessoria

Com uma proposta de integrar artistas locais com os de outras cidades, o Sesc realiza a primeira edição da Mostra de Artes do Sesc Ler Surubim, que será realizada de 16 a 24 de novembro, em diversos pontos da cidade. A programação do projeto conta com mesas, espetáculos de dança, música, teatro, literatura, contação de história, debates e exibições de filmes, todos com uma temática que engloba cultura, política e resistência.
De acordo com o professor de artes da Unidade, Igor Alexandre, a Mostra é um marco para o Sesc Ler Surubim, mas também para a produção artística local. “Muitos artistas querem fazer alguma coisa, mas não encontram oportunidades, por isso os convidamos para essa programação, que visa dialogar com toda a população de Surubim”, destaca.
Sobre a temática da ação, Igor Alexandre valoriza ampla abrangência do tema. “Observamos que era necessário tratar sobre a política e a resistência, pois aqui no município encontramos diversas formas de cultura que tratam desse temas como a poética da mulher agrestina, a poesia marginal e sertaneja, além dos traços africanos na região”, finaliza.
Serviço – Mostra de Artes do Sesc Ler Surubim
Data: 16 a 24 de novembro
Entrada Gratuita
Informações: (81) 3634.5280
Programação:
16/11
19h – “Repertório Capiba”; Desfile dos Blocos Líricos de Surubim; Associação Cultural Capiba; Maestro Spok I Local: Sport Club de Surubim
17/11
16h – Espetáculo “Do Vestido ao Nariz” (Cia. 2 em Cena – Recife) I Local: Praça Dídimo Carneiro
19h – Conexões Culturais (Apresentação dos grupos de dança da Cidade) I Local: Sport Club de Surubim
18/11
16h – Mesa: Palavra Cruzada “A Resistência do Feminino na Arte”, com Stephanie Metódio, Luanda Ferreira, Karla Yannara e Gabi da Pele Preta I Local: Sport Club de Surubim I Classificação: 14 anos
20h – Apresentação Musical: Agreste Mulher, com Gabi da Pele Preta, Agda Moura, Stéphanie Metódio e Luanda Ferreira I Local: Sport Club de Surubim I Classificação: 14 anos
19/11
10h e 14h – Contação de Histórias, com Luanda-Ruanda do Aldeia TEAR (Garanhuns-PE) I Local: Escola Mun. Oliveiros de Andrade (10h) e Sesc Ler Surubim (14h)
17h – Espetáculo “O Peru do Cão Coxo”, do Centro de Criação Galpão das Artes (Limoeiro-PE) I Local: Praça Dídimo Carneiro
20h – Espetáculo “De Luiz a Gonzaga”, do Projeto Gonzaga (Surubim) I Local: Sport Club de Surubim
20/11
10h e 14h – Mesa: Palavra Cruzada “Matrizes africanas e a Formação da Identidade de um Povo”, com Eduardo D’Amorim, Natália Lopes e Orun Santana I Local: Escola Estadual Maria Cecília (10h) e Ana Faustina (14h) I Classificação: 14 anos
20h – Espetáculo “Meia Noite”, de Orun Santana (Recife-PE) I Local: Sport Club de Surubim I Classificação: 14 anos
21/11
9h – Cinema: “O silêncio da noite é que tem sido testemunha das minhas amarguras” I Local: Auditório da Erem Severino Farias I Classificação: 14 anos
10h – Mesa Glosa I Local: Auditório da ETE I Classificação: 14 anos
13h – Cinema: “O silêncio da noite é que tem sido testemunha das minhas amarguras” I Local: Auditório da ETE I Classificação: 14 anos
13h – Mesa Glosa I Local: Auditório da Erem Severino Farias I Classificação: 14 anos
19h – Conexões Culturais (Apresentação dos grupos de dança da Cidade) I Local: Sport Club de Surubim
22/11
9h – Vivência, com o Grupo Mundaú de Experimentos Cênicos, do Sesc Garanhuns I Local: ERNAF I Classificação: 14 anos
15h – Espetáculo “Criando Peixes no bolso”, do Grupo Mundaú de Experimentos Cênicos (Sesc Garanhuns) I Local: ERNAF I Classificação: 14 anos
19h – Performances & Experimentos I Local: Sport Club de Surubim I Classificação: 16 anos
21h – Apresentação “Extremamente Barulhentos Certos Assuntos, Por Exemplo”, com Pedro Bomba (MG/SE) I Local: Sport Club de Surubim I Classificação: 16 anos
23/11
14h – Mesa: Palavra Cruzada “Diálogos da Margem”, com Pedro Bomba, Miró da Muribeca, Coletivo Marginal e Grupo Proscênio I Local: Sport Club de Surubim I Classificação: 14 anos
19h – Espetáculo “Ópera D’Água”, do Grupo Proscênio do Sesc Ler Surubim I Local: Sport Club de Surubim I Classificação: 14 anos
21h – Sarau Marginal com Pedro Bomba, Coletivo Marginal e Miró da Muribeca I Local: Sport Club de Surubim I Classificação: 14 anos
24/11
10h – Apresentação “RE-TE-TEI”, da Tropa do Balacobaco (Arcoverde) I Local: Praça Dídimo Carneiro
19h – Cortejo, com o Boi Diamante (Arcoverde), o Boi Surubim, o Boi Biu (Surubim) e o Boi de Apolinário (Surubim) I Local: Pátio da Usina até Sport Club de Surubim
19h30 – Apresentação Cultura Popular, com Boi Diamante de Arcoverde I Local: Sport Club de Surubim
20h – Espetáculo “Surubim: O Boi que Fez História”, do SEAC Marista Surubim I Local: Sport Club de Surubim
21h – Apresentação Musical, com Noé da Ciranda I Local: Sport Club de Surubim
21h30 – Apresentação Musical, com Casas Populares da BR 232 (Olinda) I Local: Sport Club de Surubim
AÇÕES FORMATIVAS
– CenaLAB – Laboratório de Performatividade Marginal, com Pedro Bomba e Jhonata Vicente
– Oficina de Criação em Audiovisual – Curta Metragem, com Paulo Andrade, nos dias 16, 17, 23, 24 e 25

FUTEBOL: Confira os jogos do fim de semana válidos pela 5ª rodada do Campeonato de Casinhas 2018

Foto: Google Imagens/Reprodução

Confira quais são os jogos que acontecem na tarde deste sábado (17) e amanhã (18), válidos pela quinta rodada da primeira fase do Campeonato Municipal de Futebol de Campo de Casinhas da 1ª e 2ª Divisão:

JOGOS DA 1ª DIVISÃO:
Sábado (17/11):
>>
Palmeiras da Chatinha x São Caetano do Junco
Local: Estádio Amaro Biu (Chatinha de Cima), às 15h


Domingo (18/11):
>>Palmeirinha Lagoa de Pedra x Juventus do Diogo
Local: Campo da Entrada do Junco, às 9h

>>Flamengo dos Laus x Centro Esportivo Casinhas
Local: Campo do Diogo, às 9h

>>Barcelona Catolé de Napoleão x Palmeiras L. de Pedra
Local: Campo do Catolé de Napoleão, às 9h

>>Associação E. Vila Nova x Manchester City Junco
Local: Campo de Vila Nova, às 9h

>>Treze de Casinhas x Brasiliense do Catolé
Local: Estádio Municipal Milton Neto (Sede), às 15h

Folgam nesta rodada o Chapecoense de Fundão de Baixo (Grupo 01) e o Guarani do Montado (Grupo 02).

JOGOS DA SEGUNDONA:
Domingo (18/11):
>>Curitiba Areia de Chatinha x Portuguesa Serra Verde
Local: Campo dos Farias, às 9h

>>Cruzeiro Chatinha de Baixo x Sport Oratório
Local: Campo da Chatinha de Baixo, às 9h

>>Sport das Guaribas x Canto do Rio do Diogo
Local: Campo das Guaribas, às 9h

>>ABC do Junco x Grêmio da Chatinha
Local: Campo do Junco, às 9h

>>Grêmio São Domingos x Central do Montado
Local: Campo de São Domingos, às 9h

>>Boca Jr. Lagoa de Pedra x Flamengo Baixada de Casinhas
Local: Campo da Entrada do Junco, às 15h

>>Vitória do Beringué x Auto Esporte de Casinhas
Local: Campo do Beringué, às 15h

>>Juventus Gruta Funda x Internacional do Junco
Local: Campo de Vila Nova, às 15h

>>Esperança Areia de Chatinha x Atlético Bengalas
Local: Campo da Chatinha de Baixo, às 15h

Folgam nesta rodada o Santos do Catolé (Grupo 02) e o Chapecoense de Serra Verde (Grupo 03).

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Ex-prefeito de Bom Jardim, Miguel Barbosa (PP), através de parcerias constrói vários Barreiros na zona rural do município.



O ex-prefeito do município de Bom Jardim, localizado no agreste setentrional de Pernambuco, Miguel Barbosa (PP), que saiu majoritário nas últimas eleições em sua cidade concorrendo a uma vaga na ALEPE, reivindicou, juntamente com o deputado estadual Aluísio Lessa (PSB), a construção de vários Barreiros na zona rural do município. A primeira, que já está sendo executada no distrito de Tamboatá, assim como as outras, é em parceria com o deputado federal, Eduardo da Fonte (PP), Secretaria Estadual de Agricultura e Reforma Agrária e com o governador Paulo Câmara (PSB).

O momento foi celebrado pelos moradores da localidade, sendo uma ação relevante que visa combater os efeitos da seca e principalmente, preparar para o próximo período de inverno no início de 2019. Como nos últimos cinco anos, as chuvas têm sido abaixo da média, caindo de forma irregular, chovendo em algumas localidades e em outras não, os barreiros secaram e a população precisa de investimento no setor.



“Quando prefeito da minha querida cidade de Bom Jardim, fui eleito e recebi um prêmio como “prefeito das águas”, e mesmo sem mandato eletivo me sinto na missão de cuidar do meu povo, lutar por dias melhores, afinal para ajudar as pessoas não precisamos ter mandato, basta querer fazer, e vou continuar lutando pelo meu povo, e em especial pelo homem do campo, e muitas coisas boas através do governador iremos trazer para Bom Jardim”, destacou Miguel.

Ainda afirmou que pretende avançar com ações para o trabalhador da zona rural, pois quando prefeito presenciou o sofrimento do homem do campo nos últimos anos de seu mandato, vitimado por uma seca terrível. "Tivemos várias ações imediatas para combater a crise da água e programas voltados para a zona rural, como perfuração de poços, cavagem de barreiros, restauração de barragens e barreiros como também limpeza de poços e requalificação de estradas vicinais, dentre outras alternativas, e estamos realizando um trabalho para que esse barreiro receba um volume de água significativo no próximo inverno”, finalizou Miguel Barbosa.                                                                                                                                                                                                Fonte: Blog do Luis Correia